1119 - DONA SINHANA CONHECEU
Qui, 24 de Setembro de 2015 04:06

Dona Sinhana era do tempo da escravidão no Brasil. Faleceu com mais de cem anos, conservando até o  fim uma memória espantosa. Ela contava: - Nem todos os donos de escravos eram maus. Mas havia cada patrão, que Deus nos acuda! Quanta chicotada! Quanta fome a gente passava. Chi! minha Nossa Senhora do Rosário! Escravo não era gente. Por isso havia até mercado de escravos. Nesses mer­cados a gente era vendido, trocado, amarrado e puxado como bicho. Nas fa­zendas havia o toco ou tronco onde o escravo era amarrado e açoitado. Havia também o porão onde jogavam e trancavam o negro que desobedecia. “Mas quando veio a libertação dos escravos, foi uma festa nunca vista. Eles saíam pelas ruas gritando, sambando e bendizendo a Deus.”

Lição: A escravidão ainda não acabou. Na prática ela continua de muitas maneiras. A escravidão do pecado sob as espécies mais nojentas. A escravidão da mídia que muitas vezes deforma em vez de formar. E tantas outras. Cuidado, portanto!

 

Outros artigos

Animação

http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/233996o_sorriso.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/950871smpre_no_cora____o.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/382426pelagio.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/343594test1.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/384004test.png