66 - MORREU DE FRIO N À PORTA DO PAPA
Dom, 05 de Fevereiro de 2017 09:42

Certa manhã nevoenta e fria, o Papa São Gregório foi abrir a porta de sua residência, mas estava emperrada. Talvez a neve que caiu durante a noite estivesse acumulada na frente da porta fazendo resistência. Forçando mais, conseguiu abrir. Olhou para fora e recuou consternado.Na soleira da porta jazia estendido o cadáver de um homem. Morrera de frio bem ali,diante da porta do Papa.Gregório ficou profundamente abalado. E falava consigo mesmo: Talvez tenha batido varias vezes... Terá gritado por socorro... Mas eu dormia e não escutava nada. Seus gritos ter-se-ão tornado cada vez mais fracos, até que suas forças se esvaíssem. E morreu o pobrezinho. Por que não pude ouvir seus gemidos? Curvando-se sobre o cadáver enregelado do mendigo, desatou a chorar como uma criança. E não teve sossego o dia inteiro.

·PALAVRA DE DEUS::– Se eu falar a língua dos homens e dos anjos, mas não tiver caridade, sou como o bronze que soa ou como o tímpano que retine (1 cor 13,1).

 

 

Outros artigos

Animação

http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/233996o_sorriso.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/950871smpre_no_cora____o.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/382426pelagio.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/343594test1.png http://boletimpadrepelagio.org/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/384004test.png