246 – A FESTA DOS BICHOS NO CÉU
Ter, 08 de Agosto de 2017 05:47
  1. Conta-se que São Roque foi tratado por um cãozinho que lhe trazia um pão todos os dias. Quando morreu, quis levar também seu benfeitor para o céu. Mas São Pedro refugou:
  2. - Tenha paciência, Roque. Seu cãozinho não pode entrar. O céu não foi feito para cachorro. Roque retrucou e a discussão foi se acalorando. O Pai Eterno interveio, e foi aberta uma exceção para o cãozinho de São Roque. Ambos entraram e foi aquela festa. São Pedro, humilhado e enciumado, disse que abriria a porta para todos os bichos, começando pelo seu galo da Quinta-feira Santa. Deus Pai teve que concordar:
  3. - Que entre esse galo bendito. Assim acaba a ciumeira do Pedro.A coisa não ficou por aí. Correu um cochicho entre os bem-aventurados porque muitos tiveram na terra algum bicho de estimação: Noé e a pombinha; Elias e o corvo; Jonas e a  baleia; Antão e o porco; Francisco de Assis e seus pássaros; Antônio de Pádua e os peixes; Balaão e a mula. E assim, um cortejo imenso.
  4. Jesus aproveitou a brecha para pedir a presença do burro e do boi do presépio. Só faltava São José, que pediu licença para o jumentinho entrar também, pois prestou tanto serviço para a Sagrada Família.
  5. O Pai Eterno não tinha como impedir. Aconteceu então no céu uma fantástica procissão de animais, de pássaros, de peixes passando diante da Trindade Santa. Parecia estar se repetindo a cena da criação.
  6. > Palavra de Deus: E vós, baleias e peixes, bendizei o Senhor! - Vós todos, pássaros do céu, bendizei o Senhor! - Vós todos, animais pequenos e grandes, bendizei o Senhor! (Dn 3,78 ss)

> > Oração:Senhor, que esta história nos ensine a respeitar a obra maravilhosa da tua criação.

 

 

Outros artigos