332 - AQUELA CASA ERA MINHA
Qua, 18 de Outubro de 2017 14:35

Dia festivo numa comunidade de Irmãs religiosas.Algumas jovens, após um tempo de madura reflexão, estão se consagrando a Deus através dos votos de pobreza, castidade e obediência. Essa consagração significa que estão renunciando livremente a muita coisa boa, por amor do Reino. Parentes e amigos compareceram à cerimônia, que foi singela, mas muito participada. Depois os parabéns. Merecem porque estão dando um passo corajoso. Todas são jovens. Todas têm pela frente um futuro de muitas renúncias. Mas estão alegres. Sentem-se realizadas.

Enquanto esperam o almoço festivo, algumas conversam com as visitas, caminhando ao longo do corredor externo que oferece vista para a rua e para a cidade. Folhagens e flores enfeitam o ambiente. Um dos visitantes mantém conversa animada com uma das jovens que acabam de se consagrar. Faz mil-e-uma perguntas, matando a curiosidade, aliás justificada, a respeito da vida de convento. Uma das últimas perguntas foi esta, depois que conquistou a confiança da jovem freira: — Se você tivesse uma casa bonita, cheia de conforto e muita mordomia, como aquela bem ali (apontando para uma rica mansão a trezentos metros), você entraria para o convento, mesmo assim?... — Pois, aquela casa era minha. Eu morava ali antes de vir para o convento... / A história não conta com que "cara" ficou o ilustre visitante.

> Para refletir: — Você já fez uma experiência em alguma casa de religiosos ou religiosas? Quer experimentar?

> Oração: Senhor, nós te pedimos pelos missionários. Nunca lhes falte a certeza do teu amor, para que possam espalhar alegremente as sementes do teu Evangelho. Dá-nos, também a nós, um espírito missionário que nos impulsione a lutar pela justiça, a ser construtores da paz, da compreensão e do desenvolvimento. Torna-nos cristãos mais comprometidos, dispostos a trabalhar para que o teu Filho seja mais conhecido e amado em toda a parte.

 

Outros artigos