336 - EMBRULHO MISTERIOSO
Sáb, 21 de Outubro de 2017 10:33

P. Lino, italiano, conhecido pela sua grande caridade e jovialidade, era capaz de surpreender a todos com atitudes repentinas. Certa vez ia passando pelas ruas de Parma com um pequeno volume envolto num cobertor. Devia ser carga muito preciosa, pois levava-a com cuidado. Um homem, num tom malicioso, gracejou: - Hoje a coleta foi gorda, senhor reverendo! O padre sorriu melancolicamente, como quem não foi compreendido, e ergueu a ponta do cobertor. Era um pimpolho de três ou quatro meses, enrolado em pobres paninhos, que logo começou a chorar vendo-se exposto ao ar frio da manhã. Querendo disfarçar seu desapontamento, o homem saiu com mais um gracejo: - Onde o roubou, padre? E agora, aonde vai com ele? / - Se você soubesse, suspirou. Sua mãe é uma pobre mulher, atacada dos pulmões. Há dois dias não consegue dar de mamar. Por aqui não encontrei um cristão que o pegasse por alguns dias. Estou certo que as minhas pobres da favela irão brigar para ficar com ele. E sem dar mais satisfação, sai apressado e cuidadoso, tentando tirar uma cantiga para acalmar o choro da criança. - P. Lino de Parma (1862-1922), chamado o São Francisco do século XIX.

> Oração: Senhor Jesus! Vendo a multidão faminta, os apóstolos te aconselharam: "Manda embora essa gente para que se vire como puder". Não aprovaste essa atitude individualista. Muitas vezes agimos como teus apóstolos: Mande a visita embora porque está "enchendo".Mande a empregada embora porque é muito lerda. Mande aquele empregado embora porque está ficando velho.Mande sua avó para o asilo porque está ficando ranzinza. Mande o doente embora porque não pode pagar. Mande a criançada embora porque está perturbando.Mande o pobre embora porque está aproveitando.Mande o bêbado embora porque está enjoando. / Sejamos mais acolhedores e indulgentes.

 

Outros artigos