CENA DE RODOVIÁRIA
Qua, 01 de Novembro de 2017 01:35
  1. Duas mulheres chegaram esbaforidas à rodoviária. Tinham quase certeza que o ônibus já havia partido. Felizmente ele estava atrasado. Elas, porém, em vez de ficar satisfeitas com o atraso, continuaram resmungando: — Esses ônibus nunca chegam no horário. Não entendo essa desorganização.
  2. Procuraram um banco para se assentar. Depois de repassar toda a rodoviária, encontraram afinal uma ponta:- Custou para achar essa ponta de banco. Mas... repare a sujeira. Não entendo mais nada. - Nem eu, era o estribilho da companheira.Relanceando os olhares investigadores, viram um sanfoneiro assentado no chão, com o chapéu das esmolas na frente. Não faltou o comentário, acompanhado com um trejeito de desprezo: - Esse povo preguiçoso devia trabalhar.../ Ao lado delas estava um casal de estrangeiros, com uma filha pequena. Esta se encantou com o sanfoneiro. Percebendo o seu interesse, o sanfoneiro começou a tocar todas as músicas infantis que conhecia. A menina, agradecida, pegou na sua mão calejada e grossa. O repentista sorriu para ela, rapou as pratinhas que haviam caído no chapéu e as entregou a ela: - É para você comprar um doce./ As fofoqueiras não conseguiram esconder a vergonha que sentiram: - Agora acabei não entendendo mais nada./ - Nem eu, arrematou a companheira. O homem não tem quase nada, e se desfaz desse pouco que tem./ Nisto o ônibus chegou. Embarcaram pensando que ainda existe alguma coisa de bom "neste mundo desconsertado".

> Para refletir: - Nós vemos as aparências. Deus vê o coração.

 

 

Outros artigos