369 - O BISPO FUGITIVO
Dom, 26 de Novembro de 2017 00:00

Um homem desconhecido, vestindo roupa de peregrino, bateu à porta do mosteiro beneditino de Monte Cassino (Itália), e pediu pousada. E ali ficou, a convite deles, participando da vida dos monges.Quem seria esse homem de nobre aparência? Talvez um criminoso que vinha fazer penitência? Ou um soldado desertor, cansado de brandir armas destruidoras?Não! Era o bispo de Praga que abandonara o seu bispado. Sentia-se frustrado. Tanto fizera pelos seus diocesanos, mas parece que plantara em solo árido. Onde semeou amor, colheu ódios e incompreensões. O abade lhe disse:— Fica conosco. A paz do claustro irá curar teu coração ferido.Mas Dom Adalberto, assim chamava-se o peregrino, preferiu sair. Não queria permanecer onde todos conheciam sua procedência.

Foi esconder-se num convento de Roma. Seus diocesanos, porém, caíram em si, arrependeram-se e mandaram uma embaixada para trazer o Pastor de volta.Voltou, sim, mas por pouco tempo. Certo dia uma mulher adúltera, perseguida para ser executada com a pena de morte, refugiou-se na casa dele. Lembrado do gesto misericordioso de Jesus, ele a colocou num convento de monjas. Quando descobriram o refúgio da pecadora, arrancaram-na à força e a massacraram. Essa desumanidade, misturada com outras injustiças, causou tanta tristeza ao santo bispo, que o fez voltar para o mosteiro de Santo Aleixo em Roma. Morreu martirizado quando evangelizava os bárbaros da Prússia. Humanamente falando, Adalberto (+997) só plantou nas pedras e colheu desgostos e fracassos. Talvez por isso mesmo, foi canonizado pela Igreja.(celebrado dia 25 de abril.)

 

Outros artigos