384 - O ANJO DE ROMA
Qui, 14 de Dezembro de 2017 02:37

 Tempos difíceis para a cidade de Roma naquele século XV! A peste e a fome faziam vítimas em todas as casas. Figuras macilentas caminhavam pelas ruas como fantasmas, à procura de socorro. Os sinos das igrejas não paravam de tocar a finados.Também a residência da nobre Francisca foi visitada pelo infortúnio. Tivera seis filhos, três dos quais a morte arrebatou ainda no berço. A pequena Inês morreu com apenas dois anos. João Evangelista foi vitimado pela epidemia. O marido chegou, um dia, carregado e gravemente ferido, vítima das guerrilhas. Apenas restabelecido, precisou fugir. O filho mais velho, João Batista, foi levado como refém para Nápoles.Órfã de marido e filhos, Francisca ficou apenas com sua solidão e dor. Começou a visitar e socorrer os infelizes atacados pela epidemia e pela fome. Repartia suas provisões com eles. Recolhia os enfermos na própria casa, que logo se transformou num hospital.Saía pelos campos, montada num jumento, à procura de lenha e gravetos com que aquecer do frio os necessitados. Quando voltava de tardinha para casa, ainda encontrava junto à porta um bando de famintos.Certa ocasião, após haver distribuído tudo o que tinha, alguns continuavam estendendo a mão. Pegou numa vassoura, varreu o chão do celeiro, e ajuntou tantos grãos de trigo, que encheram um saco.Por tantas obras de benemerência, foi chamada o anjo de "Roma".Faleceu em 1440. Hoje é invocada como santa. (Seu dia: 9 de março.)

> Para refletir:— Os santos também passam por provações.— Quem socorre os fracos e empobrecidos empresta a Deus.

 

Outros artigos