401 - A BOLA DA CRISTINA
Qui, 11 de Janeiro de 2018 00:53

Cristina ganhou uma bola em seu aniversário. Alegre e feliz, correu para o quintal  da casa. Queria brincar sozinha. Não queria que ninguém pusesse a mão na sua bola, toda colorida e bonita.Começou a brincar, meio às escondidas. Atirava a bola para o alto, batia e rebatia no chão, repicava contra a parede do muro e fazia mil cabriolas com a bola. Inventou todo o tipo de brinquedo, mas não se sentia feliz. Brincou mais de meia hora. Por fim sentiu cansaço e solidão. Atirou a bola num canto e entrou na casa. Sentia-se frustrada, vazia e triste.-Jogar bola sozinha não tinha graça. Faltava o passe. Faltava a companhia. Faltava com quem repartir as gargalhadas, os gritos e os desabafos. Ninguém gosta de viver sozinho. Deus nos criou para vivermos em família, numa comunidade.

Ouvindo a Palavra::: E todos repartiam o pão. E não havia necessitados entre eles (At 4,32ss.).

Falando com Deus: — Não queremos, Senhor, fazer como os bichos que, apenas se apoderam de um pedaço de carne, correm logo para um canto a fim de saborear tudo sozinhos.— É preciso riscar de nossos vocabulários expressões como estas: “isto é só meu”; “no que é meu ninguém põe a mão”.— Ensina-nos a partilhar nossos brinquedos, nossas alegrias, nossas tristezas, nosso pão e nosso coração. Principalmente com os mais necessitados. (Do livro “Em cada história, uma lição”)

 

Outros artigos