516. MÃE, TOME CUIDADO!
Dom, 04 de Março de 2018 20:21

Frei Crispim era simples e bom. Nada e ninguém o alterava.Gostava de cuidar dos seus altares. Enfeitava-os com carinho, para o que, cultivava um pequeno jardim no pátio do mosteiro.Um dia roubaram-lhe algumas flores que ganhara para adornar o altar de Nossa Senhora. Ficou amolado e triste, não tanto pelo valor das flores, mas porque interpretava esse roubo como uma ofensa à própria Mãe de Jesus.O caso passou. Mas aconteceu outro. Um confrade deu-lhe de presente dois belos castiçais e pediu-lhe que os inaugurasse já. Enquanto Frei Crispim saiu para buscar fogo, o confrade pegou rapidamente os castiçais e os escondeu. Escondeu-se ele também, e ficou aguardando a reação do bom Crispim.Quando o frade voltou com a mecha de fogo, o que fora feito dos castiçais? Pôs as mãos na cabeça, quase pondo fogo também nos cabelos, e desabafou-se com Nossa Senhora:— Como é possível isto, Madonna mia? Há poucos dias roubaram as flores. Hoje carregam as velas. A senhora é paciente demais. Qualquer dia vão roubar o Filho dos seus braços, e a senhora não vai dizer nada...O confrade voltou com os castiçais e as velas, sorrindo triunfante, como quem tivesse pego o ladrão:— Consegui recuperar tudo. A Madonna me ajudou.

 

Outros artigos