A CANÇÃO ROUBADA
Qui, 12 de Abril de 2018 15:31

Foi no Advento de 1755 ou 56. Santo Afonso estava realizando um trabalho missionário na cidadezinha italiana de Nola. Hospedava-se na casa do amigo P. Miguel Zambelli.Respirando clima de Natal, sentiu-se inspirado e lançou no papel o fruto de sua inspiração: uma cantiga ao Menino Jesus, com letra e música.P. Miguel, que conhecia os dotes artísticos de Afonso, ao ficar sabendo dessa nova criação musical, pediu para tirar uma cópia. O santo se escusou:— Ainda é cedo, padre. Espere a gente passar a limpo e mandar imprimir.Mas P. Miguel estava impaciente e receoso de perder essa oportunidade. Quando Afonso foi para a igreja, aproveitou a ausência, entrou no seu quarto e surrupiou a partitura da peça musical.A essas alturas P. Afonso já havia terminado a pregação e ensaiava com o povo a nova canção natalina. P. Miguel se escondera num canto do coro para ouvir e aprender também.Lá pelas tantas, Afonso interrompeu o ensaio, pois tivera dúvida a respeito de uma passagem do canto. Precisava consultar a partitura. Chamando o coroinha, cochichou:— Chame o P. Miguel. Ele está no coro da igreja. O papel dessa cantiga está no bolso dele. Peça para trazê-lo aqui, a fim de conferir e continuar o ensaio.O piedoso pirata ficou vermelho de vergonha ao receber a intimação. Nesse meio tempo, Afonso retomou o fio da música e continuou o ensaio, dispensando o papel.Mas o mistério ficou: quem contara ao santo que o papel estava no bolso do P. Miguel? O certo é que, surpreso e envergonhado, evitou encontrar-se com Afonso naquela noite. Mas ele o chamou e disse gracejando:— Se eu levasse o caso para a polícia?...Foi assim que nasceu a famosa canção natalina "Eis que da altura desces" (Tu scendi dalle stelle). Junto com a "Noite Feliz" é a mais famosa cantiga de Natal.

 

Outros artigos