HÁ MALES QUE VÊM PARA BEM
Sáb, 20 de Outubro de 2018 21:41

Jorge, quando criança, precisou fugir da guerra com a família. Na fuga sofreu um acidente que o deixou corcunda e disforme. Esse defeito físico chamava a atenção, despertando compaixão em alguns e riso em ouros.Conseguiu estudar e formar-se professor. Mas não conseguiu fazer amigos. Era respeitado, mas não amado. Vivia isolado. Parecia haver um muro que o separava da sociedade. Isso deixava-o revoltado consigo e com os outros.Um dia, saindo da escola bastante contrariado e afobado, esbarrou numa jovem, derrubando-a no meio da rua. Ao ver o desastre que havia causado, voltou-se confundido e procurou socorrer a moça. Só então reparou que era cega. Ela tremia de medo. Os joelhos e cotovelos sangravam. A bengalinha havia saltado longe.Jorge colocou-a num táxi e a levou para sua casa, até que se refizesse do choque. Deu-lhe um calmante dizendo:- Desculpe. Foi sem querer. Eu estava muito afobado. E muito revoltado com a vida.- Você não tem culpa, atalhou ela. Isso aconteceu porque não enxergo.Ambos se culpavam mutuamente. Desse incidente desagradável nasceu uma simpatia tão irresistível que se transformou em amizade. Depois em amor. Não deu outra: Alguns meses depois eles se reencontraram no altar para nunca mais se atropelar.

 

Outros artigos